25 Mar, 2019

Tem potencial para se tornar um líder?

25 Mar, 2019

O significado concreto da palavra liderança, vai mais além da função ou espírito de chefia. No best seller “O Monge e o Executivo”, o autor James C. Hunter, refere que a liderança “é a habilidade de influenciar pessoas a trabalharem entusiasticamente, com vista a atingir os objetivos identificados como um bem comum”. Apoiado nesta perspetiva, a liderança como uma habilidade, surge uma questão: é possível aprender tal capacidade ou já nascemos com ela?

À luz da Programação Neurolinguística, para chegar a esta resposta será necessário entender qual é o papel de um líder. A congruência a e auto-liderança são termos essenciais para esta habilidade, sendo também esta função associada à palavra inspiração. Mais do que ser uma pessoa que irá coordenar planos e estratégias, o líder será uma fonte de motivação para os que o rodeiam. Sendo capaz de transformar os seus resultados como exemplo, os seus companheiros passam a acreditar no seu potencial e, consequentemente, inspiraram-se para seguir o mesmo caminho. Para alcançar este processo, salientamos também algumas características cruciais: ousadia, coragem, disciplina e determinação.

No mundo corporativo, estamos expostos a uma enorme quantidade de informações diariamente e, por isso, é essencial manter o foco. A maneira como se organiza para captar e direcionar estes dados, irá também influenciar o seu grau de liderança. Neste âmbito, o seu autoconhecimento torna-se fulcral, pois ao perceber as suas habilidades, torna-se mais viável o definir uma estratégia. Após esta amadurecimento, que é um processo continuo, levando ao seu autodomínio, é possível atrair a atenção da sua equipa e conduzi-la de acordo com o plano elaborado e as necessidades do mercado.

O líder como a personificação da perfeição é uma visão muito limitadora. Acima do tudo, o líder é um ser humano e, por isso, passível de erros e limitações. Fundamentalmente, o que está por irá desenvolver esta função é, principalmente, a sua maneira de ver o mundo e responsabilizar-se pelas suas ações – locus de controle interno. Ao invés de se martirizar perante uma situação adversa, questiona-se o que podemos fazer para melhorar o resultado. Aqui salientamos os valores pessoais agregados à personalidade do futuro líder como base para o este papel, e dessa forma construir as outras características citadas anteriormente.

Na realidade não uma receita exata para se tornar um líder, embora pareça que algumas pessoas têm mais facilidade para desenvolver certas características requisitadas. Acreditamos que qualquer “pessoa já possui todos os recursos para atingir o que quer”, logo tem potencial para se tornar um líder, desde que esteja disposta a percorrer o caminho sinuoso que existe até que o objetivo seja alcançado.

O mundo necessita de líderes que inspirem e motivem pessoas a planear as suas metas tanto profissionais quanto pessoais, pois afinal não se espera perfeição do líder, mas antes credibilidade e força de vontade.

*Miguel Ferreira é CEO da CHUNKING – UP

«
»