14 Out, 2018

Qual o preço do Sucesso?

14 Out, 2018

Para todos aqueles que se focam em resultados e querem ter sucesso, deixo aqui uma série de perspetivas/reflexões para que possa refletir e depois decidir se estão dispostos a pagar o preço do que tem que enfrentar.

Quando decidir tornar-se mais belo (a) e atraente ou mais fitness e musculoso (a), conseguindo esculpir um corpo fantástico depois de anos de trabalho duro. Aí irá ouvir que você é um cabeça oca ou que tomou esteroides.

Quando ganhar muito dinheiro, porque é inteligente o suficiente para entender os fundamentos do mercado, irá ouvir dos outros que realmente conseguiu tudo isso, enganando, roubando os outros e fazendo acordos ilegais.

Quando decidir deixar o país e construir uma vida plena noutro lugar, algumas pessoas irão considerá-lo como um traidor e não um verdadeiro patriota.

Quando aprender uma nova língua e começar a usá-la com sucesso, irá sempre encontrar uma “pessoa inteligente”, que vai apontar que realmente não conhece o idioma porque está a acentuar as sílabas erradas.

Quando conseguir superar uma doença por causa do seu trabalho duro e perseverança, apesar da gravidade do diagnóstico oficial, irá ouvir de algumas pessoas que foi graças à boa sorte.

Quando descobrir uma nova solução para um problema existente que causa uma revolução no mercado, para além dos muitos aplausos também irá enfrentar a resistência dos tradicionalistas rígidos que teimosamente defendem o status quo.

Quando começar a oferecer algo de gratuito, irá ouvir que só se preocupa com dinheiro.

Quando desenvolver habilidades numa determinada área, as pessoas sem essas habilidades não serão capazes de reconhecê-las em si.

Quando começar a gerir um negócio bem-sucedido, será apenas uma questão de tempo antes que seja rotulado como “ganancioso” ou “um explorador dos pobres”.

Quando fizer amizade com alguém famoso, irão dizer que só está a fazer isso para se sobressair.

Quando começar a conduzir um carro de luxo, irá ouvir que está a compensar certas deficiências de caráter. Se usar um fato de marca, está apenas a ser pretensioso. A mala cara que sempre sonhou em ter é apenas um “desperdício de dinheiro”. Que o seu parceiro muito mais jovem e atraente está consigo apenas por causa do seu dinheiro.

Mas antes de tomar a sua decisão responda a estas perguntas:

– Prefere olhar ao espelho e ver uma pessoa de aparência fantástica ou ficar revoltado com o que vê no espelho?

– Prefere ser capaz de ter condições financeiras para ter tudo o quiser ou estar constantemente preocupado com os seus rendimentos?

– Prefere viajar pelo mundo ou estagnar numa mentalidade estreita, sem nunca considerar qualquer coisa fora dela?

– Prefere falar numa língua estrangeira para que se possa comunicar ou ficar com demasiado medo de falar porque pode cometer um erro, erro esse, em que qualquer das formas ninguém se preocupa?

– Prefere permanecer fiel a si mesmo quando os outros o rejeitam, ou respeitar as regras restritivas que realmente não são prioridades para si?

– Prefere deixar um legado que mudou o mundo ou encontrar aceitação das pessoas que nem sequer se vão lembra de si?

– Prefere ajudar os outros, ou arriscar para ter a aceitação daqueles que nem se ajudam a si mesmos?

– Prefere ser alguém excecional ou permanecer mediano, não se atrevendo a destacar-se da “massa”?

– Prefere ser o capitão do seu próprio destino ou ceder às crenças daqueles que atribuem a responsabilidade da sua situação a todos, exceto a si mesmo?

– Prefere usar o seu tempo com pessoas que o inspiram ou com aqueles que o impedem do seu desenvolvimento intelectual e emocional?

– Prefere ter o que deseja ou estar de acordo com aqueles que têm o que não querem?

À medida que responde a estas perguntas, vai notar alguns padrões:

– As pessoas atraentes não atacam outras pessoas atraentes.

– As pessoas ricas são acusadas apenas por aqueles que não têm dinheiro.

– As pessoas competentes são criticadas essencialmente por aqueles que não têm resultados.

– As pessoas excecionais são invejadas por aqueles que não obtêm atenção.

Assim poderá chegar a uma conclusão óbvia: a mediocridade odeia a grandeza.

Agora que foi alertado, pode decidir por si mesmo. Está pronto para pagar o preço?

«
»