26 Jun, 2017

É preciso saber dizer…

26 Jun, 2017

Demonstrar o amor é uma forma de deixar a vida transbordar dentro do próprio coração.
A maioria das pessoas estabelece datas especiais para manifestar o seu amor pelo outro: é o dia do aniversário, o natal, o aniversário de casamento, o dia dos namorados.
Para elas, expressar amor é como usar talheres de prata: é bonito, sofisticado, mas somente em ocasiões muito especiais.
E alguns nunca dizem o que sentem ao outro.
Acreditam que o outro sabe que é amado e pronto.
Não é preciso dizer.

Conta um médico que uma das suas pacientes, esposa de um homem avesso a exteriorizar sentimentos, foi acometida duma supuração de apêndice e levada à pressa para o hospital.
Operada de urgência, necessitou receber várias transfusões de sangue sem nenhum resultado satisfatório para o restabelecimento da sua saúde.
O médico, um tanto preocupado, a fim de sugestioná-la, disse-lhe: pensei que a senhora quisesse ficar curada o mais rapidamente possível para voltar para o seu lar e marido.
Ela respondeu, sem nenhum entusiasmo:
– O meu marido não precisa de mim. Aliás, ele não necessita de ninguém. Está sempre a dizer-me isto.
Naquela noite, o médico falou para o esposo que a sua mulher não queria ficar curada, pois estava a sofrer de profunda carência afectiva, estando assim a comprometer a sua cura.
A resposta do marido foi curta, mas precisa:
– Ela tem de ficar boa.
Finalmente, como último recurso para a obtenção do restabelecimento da paciente, o médico optou por realizar uma transfusão de sangue directa.
O doador foi o próprio marido, pois possuía o mesmo tipo de sangue.
Deitado ao lado dela, enquanto o sangue fluía dele para as veias da sua esposa, aconteceu algo imprevisível.
O marido, traduzindo na voz uma verdadeira afeição, disse para a esposa:
– Querida, eu vou fazer-te ficar boa.
– Porque? Perguntou ela, sem sequer abrir os olhos.
– Porque representas muito para mim. És a minha vida!
Houve uma pausa.
O pulso dela bateu mais depressa.
Os seus olhos abriram-se e voltou lentamente a cabeça para ele.
– Tu nunca me disseste isso.
– Estou a dizer agora.
Mais tarde, com surpresa, o marido ouviu a opinião do médico sobre a causa principal da cura da sua esposa.
Não foi a transfusão em si, mas o que acompanhou a doação do sangue que fez com que ela se restabelecesse.
As palavras de carinho fizeram a diferença entre a vida e morte.

É importante saber dizer: amo-te!
O gesto carinhoso, a palavra gentil autêntica, a demonstração afectiva num abraço, numa delicada carícia funcionam como estímulos para o estreitamento dos laços indestrutíveis do amor.
É urgente que, no relacionamento humano, se quebre a cortina do silêncio entre as pessoas e se fale a respeito dos sentimentos mútuos, sem vergonha e sem medo.
A pessoa cuja presença é uma declaração de amor consegue criar um ambiente especial para si e para os que privam da sua convivência.
Quem diz ao outro: eu amo-te, expressa a sua própria capacidade de amar, mas também, afirma que o outro é amado, se faz amar e cria amor ao seu redor.
Não basta amar o outro.
É preciso que ele saiba que é amado!

Bem hajam.

Miguel Ferreira

«
»