04 Jun, 2017

Depressão e a PNL

04 Jun, 2017

Depressão e a PNL

Todos os que procuram ajuda para a curar a depressão devem estar cientes de que a terapia cognitiva é geralmente aceite como sendo uma abordagem muito eficaz na cura da depressão.

Excelentes estudos têm mostrado que a sua eficácia supera a dormência dada pela inercia vivencial e pelos anti-depressivos. Muitos psicólogos clínicos (e estudantes) tem sido muito inflexível, insistindo que não é o seu trabalho investigar todos os tipos de tratamentos para a depressão, nomeadamente as terapias cognitivas, debruçando-se apenas nos tratamentos de depressão que fazem parte das suas preferências e que lhes tragam mais-valias. Isto significa que os utentes que querem saber mais sobre outras abordagens e sobre a depressão e sua cura, estão dependentes da boa vontade dos outros, denominados como especialistas.

Desta forma os especialistas em Programação Neurolinguística tem trabalhado com pessoas deprimidas utilizando as fantásticas técnicas desta metodologia, sendo a cura da depressão a alteração do padrão inconsciente que resulta nessa quebra anímica e fisiológica, resultando duma reprogramação neurológica que leva a uma mudança efetiva. Este processo debruça-se também na questão de “Como posso ser uma pessoa positiva?”, “Como libertar a negatividade?” e assim libertar um sistema viciado de crenças negativas que levam a pessoa a uma espiral descendente de depressão.

Actualmente já há bastantes terapeutas que usam a PNL e que são bem-sucedidos a tratar a depressão de um vasto número de clientes que até então estavam dependentes de anti-depressivos.

No entanto a maior eficácia que a Programação Neurolínguistica poderá exercer, será se a própria pessoa que sofre de depressão decidir fazer uma formação sobre Programação Neurolinguistica e ela própria entender o funcionamento da forma como vê o mundo e quais as suas crenças limitadoras que a levam a permanecer em estados depressivos.

A importância da ligação entre a Depressão e a PNL (Programação NeuroLinguística) é o facto de a própria pessoa desenvolver as técnicas desta metodologia, responsabilizando-se pela sua própria compreensão do que está mal na sua vida e impulsionar a consciência de si e consequência mudança sobre si e sobre a sua auto-imagem, sendo que este processo de tratamento se debruça-se essencialmente num processo de transformação interior, deixando de estar associado a ideias e convicções negativas e limitadoras.

Miguel Ferreira

«
»