06 Jun, 2017

Carpintaria O SETE

06 Jun, 2017

Carpintaria O SETE

Era uma vez uma casinha num terreno nos arredores da cidade. Na parte da frente tinha uma pequena oficina com algumas máquinas e ferramentas, dois quartos, uma cozinha e, nas traseiras, uma rudimentar casa de banho…

No entanto João não se queixava. Durante os últimos dois anos, a oficina da carpintaria “o sete” tornara-se conhecida na aldeia e ele ganhava o suficiente para não ter de recorrer às suas poupanças.

Naquele dia, como em todos os outros, levantou-se às seis e meia para ver nascer o sol. Porém, não conseguiu chegar ao lago, como costumava fazer, porque pelo caminho, a uns duzentos metros da sua casa, quase tropeçou no corpo ferido e maltratado de um jovem.

Ajoelhou-se rapidamente e encostou o ouvido ao seu peito… Lá muito ao longe, debilmente, um coração esforçava-se por manter o pouco que restava de vida naquele corpo imundo e a tresandar a sangue, sujidade e álcool.

O Joaquim foi buscar um carrinho de mão, dentro do qual transportou o jovem. Ao chegar a casa, estendeu o corpo em cima da sua cama, cortou as roupas puídas e lavou-o cuidadosamente com água, sabonete e álcool.

O rapaz, além de estar embriagado, tinha sido violentamente esfaqueado. Tinha cortes nas mãos e nas costas, e a sua perna direita estava partida.

Durante os dois dias seguintes, toda a vida do João centrou-se na saúde do seu hóspede involuntário: curou e enfaixou as suas feridas, pôs-lhe uma tala na perna e alimentou o jovem com pequenas colheradas de canja de galinha.

Quando o jovem despertou, o João encontrava-se ao seu lado a fitá-lo com ternura e ansiedade.

– Como te sentes?- perguntou. – Bem…acho- respondeu o jovem, inspeccionando o seu corpo limpo e tratado. – Quem me tratou? – Eu.- Porquê? – Porque estavas ferido. – Só por isso? – Não, também porque preciso de um ajudante. E ambos riram a gosto.

Bem comido, bem dormido e sem ter bebido uma gota de álcool, o Manuel, que era como se chamava o rapaz, recuperou rapidamente as forças.

O João tencionava ensinar-lhe o ofício e o Manuel tentava fugir ao trabalho como podia. Uma e outra vez, o João tentava incutir naquela cabeça deteriorada pela vida dissoluta as vantagens do trabalho, do bom nome e da vida honesta.

Uma e outra vez, o Manuel parecia entende-lo, duas horas depois, ou dois dias depois, tornara-se a deixar dormir e esquecia-se de cumprir a tarefa que o João lhe pedira.

Passaram-se meses e o Manuel estava completamente recuperado. O João oferecera-lhe o quarto principal da casa, uma sociedade no negócio e o primeiro turno na casa de banho, em troca da promessa de o jovem se dedicar ao trabalho.

Uma noite, enquanto o João dormia, o Manuel decidiu que seis meses de abstinência eram mais que suficientes e achou que não fazia mal ir tomar um copo à povoação. Não fosse o João acordar ao meio da noite, achou melhor fechar a porta do seu quarto, por dentro e sair pela janela, deixando uma vela acesa para dar a sensação de que estava na cama.

O primeiro copo puxou o segundo, e este o terceiro, e o quarto, e muitos outros…

Estava a cantar com os seus colegas de bebedeira, quando passaram os bombeiros à porta do bar, com as sirenes em altos berros. O Manuel não relacionou esse pormenor com o que estava a acontecer, até que, já de madrugada, a cambalear, chegou a casa e viu uma multidão na rua…

Só se consegui salvar uma parede, as máquinas e algumas ferramentas do incêndio. O resto foi destruído pelas chamas. Do João, encontraram apenas quatro ou cinco ossos chamuscados, que enterraram no cemitério com uma lápide onde Manuel mandou gravar o seguinte epitáfio: “vou fazer, João, vou fazer!”.

Com muito trabalho, o Manuel reconstruiu a carpintaria. Ele era distraído, mas hábil, e o que aprendera com o João serviu-lhe para conseguir gerir o negócio.

Tinha sempre a sensação de que, algures, o João estava a observá-lo e dar-lhe alento. O Manuel lembrava-se dele em todos os acontecimentos importantes da sua vida: o seu casamento, o nascimento do seu primeiro filho, a compra do seu primeiro automóvel…

A quinhentos km dali, o João, vivinho da silva, perguntava-se se seria legítimo mentir, enganar e deitar o fogo aquela casa tão bonita só para salvar um jovem.

Respondeu para si próprio que sim e riu só de pensar na polícia da ladeia, que confundira ossos de porco com ossos humanos…

A sua nova carpintaria, um pouco mais modesta do que a anterior, já era conhecida na aldeia. Chama-se “O Oito”.

– Às vezes, a vida faz com que seja difícil ajudar uma pessoa de quem se gosta. No entanto, se existe uma dificuldade que vale a pena enfrentar, é a de ajudar alguém. Não se trata de um dever “moral”, nem nada do género, é uma escolha de vida que cada pessoa pode fazer em qualquer instante no sentido que desejar.

Diz-nos a experiência pessoal de vivências e observações que o ser humano livre, que se conhece a si próprio, é generoso, solidário, amável e capaz de apreciar na mesma medida tanto o dar, como receber. Portanto, sempre que encontrarem pessoas que só sabem olhar para o seu umbigo, não as odeies: já devem ter problemas de sobra por si mesmas. Sempre que dês por ti cometer um ato mesquinho, ruim ou tacanho, aproveita para perguntares a ti mesmo o que está a acontecer. Garanto-te que, em algum ponto, te desviaste do teu caminho. (“Deixa-me que te conte” de Jorge Bucay)

Bem hajam,

Miguel Ferreira

«
»