As rãs e o creme

Para todos aquele que acreditam que não conseguem, segue a metáfora:

Uma vez duas rãs caíram numa tigela de creme. Imediatamente começaram a afundar; era impossível nadar ou boiar naquela massa espessa como areia movediça. No inicio, as duas mexiam as pernas e tentavam inutilmente chegar à borda do recipiente. Só conseguiam espirrar creme para todos os lados sem sair do lugar, afundando-se cada vez mais. Sentiam que era cada vez mais difícil respirar.

Uma delas disse:

– Não adianta. É impossível sair daqui. Não consigo nadar neste líquido pegajoso. Já que vou morrer, para que prolongar a dor? Não vejo sentido em morrer extenuada por um esforço inútil.

Então ela parou de bater as pernas e afundou de vez, literalmente engolida pela massa branca.

A outra rã, mais persistente, ou talvez mais teimosa, disse a si mesma:

– Não há hipótese! Não dá para sair daqui. Porém, já que a morte está a chegar, vou lutar até ficar sem fôlego. Não quero morrer nem um segundo sequer antes da hora.

Ela continuou a bater as pernas sem sair do lugar, sem avançar um centímetro, por horas a fio. E assim, depois de tanto mexer a massa, o creme transformou-se em manteiga.

A rã, surpresa, deu um pulo e foi a patinar até a borda da tigela. E saiu coaxando alegremente de volta para casa.

Bem hajam,

«
»