As duas sementes

Duas sementes descansavam lado a lado no solo fértil da primavera.

A primeira semente disse:

– Eu quero crescer! Quero enviar as minhas raízes às profundezas do solo e fazer os meus brotos rasgarem a superfície da terra… Quero abrir os meus botões como bandeiras anunciando a chegada da primavera… Quero sentir o calor do sol no meu rosto e a benção do orvalho da manhã nas minhas pétalas! E assim lá cresceu…

A segunda semente disse:

– Tenho medo. Se eu enviar as minhas raízes às profundezas, não sei o que encontrarei na escuridão. Se rasgar a superfície dura, posso danificar os meus brotos… e se deixar que os meus brotos se abram e um caracol tentar comê-los? E se abrir as minhas flores e uma criança me arrancar do chão? Não é muito melhor esperar até que me sinta segura? E assim ela esperou…

Uma galinha ciscando no solo da primavera recente, à procura de comida, encontrou  e rapidamente comeu a semente à espera de segurança.

QUAL É A MORAL DA  HISTÓRIA?

 

 

Patty Hansen
Canja de galinha para a alma – Jack Canfield e Mark Victor Hansen

«
»