25 Ago, 2019

As 10 Leis do Sucesso

10 Leis do Sucesso
25 Ago, 2019

As Leis do Sucesso, também chamadas de “Leis da Mente”, explicam como funciona a mente subconsciente – responsável por prever e controlar o comportamento e onde tudo acontece por uma razão.

Estas leis foram sintetizadas através do estudo de muitas abordagens terapêuticas e de inúmeras conclusões que, em conjunto, provam que são confiáveis e permanentes, tal como acontece com a Lei do Efeito Invertido e a Lei da Expectativa.

A sua compreensão ajuda na formulação de afirmações e sugestões hipnóticas (que influenciam o comportamento humano), ao mesmo tempo que explicam a razão do sucesso.

Posto isto, para quem quer ter mais e melhores resultados, é fundamental considerar e agir a partir das referidas leis, pois quaisquer hábitos e reações podem ser compreendidos e modificados para melhor.

Regra 1: Lei da Determinação – Tudo sucede por uma razão.

O mundo não é aleatório, tudo acontece porque algo lhe deu origem. Não há casualidade. Tudo ocorre por uma razão. Todas as ações têm consequências. Qualquer estado em que nos encontremos é o resultado das escolhas que fizemos no passado e, que de forma inconsciente, influenciam o estado (efeito) em que nos encontramos agora.

Tudo o que acontecer no futuro será o resultado das escolhas que fizermos agora. Sentarmo-nos e ficarmos à espera não trará nada de útil. Somente através da decisão do que queremos, e consequente ação, é que poderemos obter o que desejamos.

Os resultados que temos agora são diretamente determinados pelo que fizemos, ou o que não fizemos. Nada é por acaso ou sorte, ou devido a ações de outras pessoas. Segundo esta lei, nós determinamos o nosso próprio futuro: este é previsível e está sob o nosso controle.

Regra 2: Lei do Efeito Reverso – Quanto mais forçarmos, menos sucesso teremos.

A Lei do Efeito Reverso (também conhecida como a Lei do Esforço Invertido) afirma que quando se lida com o poder da mente subconsciente, quanto maior o esforço consciente, menor a resposta do subconsciente.

A mente subconsciente existe para nos proteger, sendo a sua principal função aprender e memorizar as regras do comportamento que evitam a dor. Estas, a par dos comportamentos, são criados em resposta a algum evento emocional, geralmente despoletado na infância.

Cada situação, semelhante às experiências vividas nesta fase, será tratada de acordo com a regra que foi criada nessa altura. Por exemplo, no decurso da infância, a criança aprendeu a encolher-se para se proteger do outro. Como esse comportamento terá efeitos no futuro, a mesma irá atuar de igual modo para se proteger de situações da vida similares, e cuja melhor resposta seria não as enfrentar.

A Lei do Efeito Reverso significa, portanto, que qualquer tentativa de mudança do hábito ou comportamento automático protetor, será alvo de resistência, pois tal implica o abandono da regra de proteção. O inconsciente sabe que, se a regra não for seguida, ocorrerá dor e, se assim não for, não desenvolverá mecanismo para o impedir.

Nesta perspetiva, quando tentamos alterar a resposta habitual, tal é considerado pelo inconsciente como um ataque, verificando-se uma resistência à mudança.

Quanto mais pressão aplicarmos maior será a resistência gerada (a maneira mais eficaz para alcançarmos a mudança é através dos próprios “processos da mente”: a visualização criativa e a ancoragem emocional, que foram as formas como a regra lá foi colocada).

Regra 3: Lei do Efeito Mental – Qualquer pensamento afeta o nosso corpo

Ao pensarmos sobre algo que nos assusta, a frequência cardíaca aumentará e as palmas das mãos suarão. Ao imaginarmos que estamos a relaxar, contemplando um local agradável, a pressão arterial diminuirá gradualmente. Na verdade, cada pensamento está num lugar entre estes dois extremos, ou seja, cada pensamento provoca certos tipos de reação física mensurável, ainda que não estejamos conscientes disso.

Esta é a causa principal das desordens de ansiedade, tal como os ataques de pânico. Da mesma forma, é a base do Poder do Pensamento Positivo, que provoca reações neurofisiológicas curativas.

Regra 4: Lei da Cura e Mudança Positiva – Como é que afeta a nossa saúde?

Um estado emocional induzido tende a causar mudanças orgânicas se persistirmos nessa vibração. Os estudos indicam que poderá cronificar estados emocionais como a ansiedade prolongada ou causar raiva e gerar elevados níveis de secreção hormonal que provocam o stress e estes, por sua vez, causam danos físicos permanentes na nossa saúde.

Por outro lado, uma perspetiva otimista persistente produz hormonas diferentes que podem prolongar a vida por vários anos. A Lei do Sucesso indica que a maneira como pensamos é uma escolha pessoal e que todos podemos pensar de forma saudável (visualização criativa, reenquadramento e SMD).

Regra 5: Lei da Visualização – Atingimos aquilo que visualizamos

Einstein já afirmava que “a imaginação é mais poderosa do que o conhecimento”. A mente subconsciente não funciona na lógica estrita, dado que é ela que domina os sentimentos, as imagens e as imaginações. Esta lei defende que para influenciarmos o subconsciente, necessitamos de utilizar as ferramentas a que a mente subconsciente naturalmente responde (técnicas de visualização neurolinguísticas guiadas).

O subconsciente não diferencia algo vividamente imaginado de algo real, logo, a visualização de um resultado desejado será mais eficaz do que dizê-lo ou desejá-lo.

Regra 6: Lei da Expetativa – Encontramos aquilo que esperamos encontrar

A visão está na mente, e não nos olhos. A Lei da Expectativa mostra que o que esperamos é o que aparece no nosso mundo. Se estamos convencidos de que o mundo está cheio de oportunidades, mentalmente iremos reconhecer oportunidades em toda a parte e trazê-las para a nossa atenção consciente.

Se acreditamos que o mundo está cheio de perigos e falhas, mentalmente não iremos reconhecer uma oportunidade quando encontramos um obstáculo. Ora, se não conseguimos ver a oportunidade, então não podemos agir sobre ela e, portanto, o nosso mundo tornar-se-á cheio de falhas e percalços, e as nossas expetativas serão realizadas.
Seguramente já todos leram a máxima – “Se achamos que podemos, ou achamos que não podemos, nós estamos certo”.

Regra 7: Lei da Justificação – Uma ideia forte pode mudar a nossa verdade

Esta Lei defende que duas ideias antagónicas não podem ser mantidas na mente ao mesmo tempo, ou seja, duas ideias opostas não possam coexistir, uma vez que tal poderia causar um conflito interminável. A mente, enredada neste problema, persistiria na invenção de razões que justificassem porque cada uma delas é uma exceção especial.

É o caso dos fumadores que, sabendo que se estão a matar, continuam a fumar. A mente inventa justificações para obter benefícios desta situação, definindo o fumo como “útil” – “Isto ajuda-me a relaxar”, “Ajuda-me a pensar”, etc., que são absurdas, mas que permitem à mente conciliar as duas crenças opostas ” fumar vai-me matar “e” Eu escolho fumar “.

Mas, não é só isso, pois ao provar-se, mais tarde, que uma das suas crenças está errada, é mais provável defendê-la, e isso pode realmente levar as pessoas a reforçar as suas crenças perante evidências conflituosas.

Nesta lei poderá ser utilizada a justificação para compensar um mau acontecimento e tirar partido do mesmo, bem como para justificar um mau hábito e continuar agarrado ao ganho secundário do mesmo.
O importante é encontrarem alternativas ecológicas para se realizarem na vida.

Regra 8: Lei da Persistência – Quanto mais nos agarrarmos a uma crença/ideia, mais forte “ela” se torna

A partir do momento que uma ideia é aceite pela mente subconsciente, permanecerá lá até que seja substituída por outra ideia. Esta Lei é a base do ditado “Nós podemos” ensinar a um cão velho, truques novos. A mente subconsciente existe para nos ajudar a sobreviver no ambiente circundante.

Se tivéssemos que pensar sobre o que fazer cada vez que encontramos uma porta ou perante um sorriso – seríamos incapazes de funcionar. O subconsciente aprende uma resposta perante uma situação e depois opera sempre dessa forma a partir daí. Algumas vezes para de pensar noutras respostas. Isto economiza uma enorme quantidade de tempo e esforço, mas é claro que a aplicação da mesma resposta a situações ligeiramente diferentes pode causar alguns problemas.

Regra 9: A Lei do Reforço – Quanto mais usamos uma ideia, mais forte ela se torna

Quanto mais tempo uma ideia permanece na mente, mais oposição haverá para substituí-la por uma nova. Quanto mais vezes usarmos uma resposta, numa determinada situação que parece dar um resultado satisfatório, mais integrada se torna essa resposta.
Quanto mais tempo é usada, mais reforçada é a ideia, ficando mais certa a crença de que é a maneira correta de reagir, sendo que, devido ao reforço mental criado, nas vias neurais, esta será muito difícil de desalojar.

Regra 10: Lei da Repetição – Repetindo uma sugestão, esta torna-se mais poderosa

Cada sugestão posta em prática cria menos oposição às sugestões sucessivas. Uma ideia reforçada cria fortes caminhos neurais no cérebro que, todavia, não são totalmente fixos. Assim que a mente aceita a ideia de que precisa reavaliar a resposta padrão para uma situação, então começa a construir novos caminhos.

Inicialmente, estes são como desvios temporários da estrada, e podem ficar postos de lado, mas como a nova resposta é usada repetidas vezes, os caminhos tornam-se mais firmemente estabelecidos. Eventualmente, os trilhos antigos terminam porque não foram reforçados. Portanto, ao repetir o hábito, ele torna-se mais presente e irá definir as nossas reações na vida e consequentes resultados.

Conclusão:

Numa primeira leitura, as Leis do Sucesso podem parecer misteriosas ou indicar um poder maior que rege o nosso comportamento, mas na verdade são normas simples que resultam da observação da conduta de pessoas comuns.

A análise detalhada das “Leis do Sucesso” mostra que são verdadeiras, porque cada uma é apoiada em pesquisas científicas e a maioria delas são apenas reformulações dos princípios do condicionamento clássico, em psicologia. Pavlov provou que quanto mais um animal é recompensado depois de uma determinada ação, mais tende a repeti-la. Mesmo depois da recompensa lhe ser retirada, o animal mantém a conduta. Os seres humanos não são diferentes.

Além disso, um comportamento que não é reforçado tende a entrar em extinção, especialmente se um reforço diferente é usado para o mesmo comportamento. Isto é o que acontece quando os maus hábitos são substituídos. Estudos fisiológicos demonstram que o stress realmente causa doenças, e que a visualização de um dia ensolarado pode melhorar o humor.

Assim, embora vários escritores apresentem as suas próprias explicações para as leis da mente, ou usá-las para provar o seu próprio tipo particular de terapia, as “Leis do Sucesso”, como a Lei da Expetativa, são realmente universais devido ao poder natural da mente subconsciente: as Leis do Sucesso são apenas um resultado natural da forma como o cérebro humano funciona.

Bem hajam,

programação neurolinguísticaMIGUEL FERREIRA

Consultor | Formador | Advanced Master, Practitioner e Trainer em Programação Neurolinguística

Licenciado em Psicopedagogia, Especializado em Psicologia Clínica e da Saúde.

Revisão de textocoping neurolinguístico por Carla Pedro.
«
»