04 Jun, 2017

5 passos para se sentir bem (no dia-a-dia)

04 Jun, 2017

Caro leitor, aqui vos deixo uma síntese de algo que nos pode ajudar bastante: como nos podemos sentir bem a maior parte do tempo?

1. Identifique os sentimentos positivos que quer sentir ao longo do dia.

Seja intencional. De manhã, e assim que dispuser de um bocadinho livre, elabore uma lista – escrita ou mental – de como se quer sentir ao longo do dia.

Termine esta frase – “Hoje, eu quero me sentir-me_____________ .”

Vejamos alguns exemplos: orgulhoso, responsável, aliviado, feliz, seguro, alegre, ético, capaz, forte, equilibrado, firme, inspirado, inovador, admirado, etc.

O objetivo desta dica é preencher a mente com os sentimentos benéficos que se querem incorporar. A positividade predispõe o espírito a procurar situações similares. Ao identificar aspetos e momentos que reforcem essas sensações positivas, cada um sentir-se-á bem consigo mesmo e mais motivado para perseverar no caminho.

2. Reescreva a sua agenda ou as suas tarefas e, a cada uma delas, associe um sentimento positivo.

Mentalmente, observe e identifique como se sentirá ao completar especificamente cada uma das tarefas programadas. Ao fazer isto, está a atribuir um significado extra a cada item previamente elaborado. Por exemplo: Vou rever com um colega o trabalho de grupo e vou sentir-me útil. Vou conversar com o meu chefe sobre justiça e vou sentir-me orgulhoso. Vou finalizar o meu relatório de estágio e vou sentir-me aliviado.

Ao associar um adjetivo positivo específico a cada item da sua lista, no que respeita aos afazeres diários, estará a programar o corpo e a mente para manifestar essa sensação no momento apropriado. Quando assim for, terá dado um passo de gigante no sentido de uma existência mais consciente e intencional.

3. Antes da prática vem a imaginação

O nosso cérebro responde automaticamente quando confrontado com sensações e imagens, pois é o meio mais rápido e eficaz de conectar as suas necessidades e desejos à forma como lidamos internamente com a realidade.  Quem nunca se referiu a uma determinada situação, dizendo “mais cedo ou mais tarde, sabia que isto iria acontecer!”!? Infelizmente, só aplicamos esta exclamação em situações menos boas, quando os resultados alcançados não foram os desejados (mais uma vez observamos que o foco no negativo se destaca e assume o controlo).

O nosso corpo está de tal forma equipado e apetrechado para reagir de acordo com o que pensamos e sentimos que, por exemplo, ao ver uma cobra, imediatamente nos afastamos e colocamos em guarda. Ao sentir o cheiro do pão que acaba de sair do forno, salivamos e antecipamos o sabor daquilo que imaginamos. O que não nos damos conta é que estamos permanentemente envolvidos neste processo, prestando atenção apenas a algumas coisas.

Assim, e em vez de se focar apenas nas coisas que estão por fazer, dedique-se também às sensações, permita-se sentir as situações e perceba como o corpo reage diante das mesmas. Se face a uma certa circunstância se verificar tensão nos seus músculos, se se perceber uma careta ou um aperto no estômago, então cuidado!! Atenção! Isto significa que está a criar algo negativo e que não quer. Ao imaginar que está a vivenciar a mesma situação, mas de forma mais positiva, o corpo e a mente, em uníssono, trabalharão para que tal estado aconteça.

4. Quando completar uma tarefa, reconheça.

É ponto assente que passamos grande parte da nossa vida em busca de elogio e reconhecimento exterior: dos pais, amigos, colegas de trabalho. Mas, ignoramos que somos nós os nossos maiores críticos e piores julgadores. Tem consciência do quanto se valoriza? Tem consciência das múltiplas vezes que se esforçou para fazer algo melhor, maior, diferente e, no fim, ainda se criticou, dizendo que não foi suficientemente bom?

Não precisa ser autoindulgente nem de se felicitar por um trabalho mediano, no qual não depositou todo o seu empenho. No final de cada atividade, e antes da concretização da próxima tarefa, reflita em torno da mesma e analise os sentimentos daí resultantes. Se tem consciência da sua fraca prestação, sentir-se-á culpado. Se se esforçou, dando o seu melhor, mesmo que não tenha atingido a excelência, reconheça e valorize-se por isso.  Por fim, se houver espaço para progredir, visualize a situação mentalmente e ouse sentir como será a próxima vez.

5. Efeito bola de neve

Se seguir esta fórmula, desenvolverá sentimentos, verdadeiramente, benéficos que lhe permitirão usufruir de uma sensação de bem-estar duradora. Deixe-os fluir. Deixe que os efeitos se transformem numa bola de neve, de tal forma gigantesca que, em pouco tempo, incorporará a expetativa positiva de se sentir bem durante todo o dia. Quando tiver que antecipar uma ação ou acontecimento, esforce-se por perceber qual é o sentimento ideal que lhe está subjacente. A partir daqui, poderá trabalhar de sentimento positivo em sentimento positivo, durante todo o dia.

Artigo Adaptado, baseado no texto original de Mike Bundrant, fundador do iNPLCenter, USA

Bem hajam, Miguel Ferreira

«
»